Pular para o conteúdo principal

Três mulheres vencem o prêmio Oceanos de literatura

SÃO PAULO
A escritora portuguesa Djaimilia Pereira de Almeida foi anunciada a vencedora do prêmio Oceanos deste ano, com o livro "Luanda, Lisboa, Paraíso", publicado pela Companhia das Letras.

O prêmio de literatura em língua portuguesa paga ao vencedor R$ 120 mil e foi anunciado em cerimônia no Itaú Cultural, em São Paulo, na manhã desta quinta-feira (5).

Em seu segundo romance, Almeida narra a viagem de um pai com seu filho de Luanda para Lisboa, em direção à favela de Paraíso, para que esse pai passe por um tratamento médico em Portugal nos anos 1980.

Segundo o júri, "Djaimilia Pereira de Almeida compõe, através de linguagem viva, um relato sensível sobre as ilusões e desilusões do mundo pós-colonial".

Nesta edição, o Oceanos passou a premiar três livros, e não mais quatro. Com isso, três mulheres foram anunciadas vencedoras.

Em segundo lugar ficou "Eliete" (Tinta da China), da portuguesa Dulce Maria Cardoso. Em terceiro, "Sorte" (Moinhos), da brasileira Nara Vidal. Elas receberam R$ 80 mil e R$ 50 mil, respectivamente.

Criado em 2003, o prêmio era chamado Portugal Telecom até 2014. Na edição deste ano, 1.467 livros foram inscritos e analisados inicialmente por 72 jurados.

Entre os dez finalistas, estavam nove romances e um livro de contos —escritos por cinco autores brasileiros, quatro portugueses e um angolano. Além das vencedoras, concorriam nomes como Pepetela, Cristovão Tezza e Nei Lopes.

As ganhadoras foram eleitas por um corpo de jurados composto pelos portugueses Daniel Jonas e Manuel Frias Martins e pelas brasileiras Eliane Robert Moraes, Maria Esther Maciel e Veronica Stigger.

Folha de S. Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…