Pular para o conteúdo principal

Vamos aprender a ler de verdade

Enzo Bianchi*
Chegaram os dias frios, muitas vezes tristes e, sem precisar nem mesmo decidir, ficamos mais em casa, talvez como eu ao lado de uma lareira, passando horas lendo e pensando. Aprender a pensar significa, de fato, aprender a ler: ler o mundo, as situações, os eventos, o que está "escrito" porque outros o colocaram "preto no branco".
Não é por acaso que na Idade Média faziam derivar a palavra latina intellegere - literalmente "entender" - de intus legere, "ler de dentro". Ler é sempre tentar interrogar e interpretar: para fazer isso, é preciso se afastar do "comércio" que nos rodeia, esquecer o que está presente aos nossos sentidos e concentrar-se no que queremos ler.
Ler é, portanto, fixar os olhos e a atenção em sinais escritos, em uma sucessão de espaços em branco e traços de tinta dispostos ordenadamente sobre a superfície de uma página, até quase sair de nós mesmos (ou descer em nossas profundezas) para mergulhar na escrita.
Para ler, só é preciso encontrar tempo, saber possuir e ordenar tempo, parando de dizer: "Não tenho tempo!". E é preciso um livro ao qual possa dedicar a atenção. Mesmo no meio da multidão, no trem, no ônibus, essa operação permanece possível e o "leitor" se torna, para quem o observa, um ícone de interioridade, uma imagem de recolhimento, uma alusão à jornada da mente. A leitura, de fato, é uma conversa, um diálogo com quem está ausente, que pode estar a milhares de quilômetros de distância no tempo e no espaço: é um receber a palavra de um outro e assumi-la para si, interpretando-a no diálogo da própria intimidade.
"Onde se queimam livros, acaba-se queimando pessoas!"
Santo Agostinho comparava as Escrituras a um espelho que revela o leitor a si mesmo, Gregório Magno falava da "Escritura que cresce junto com o leitor" e Marcel Proust, no final de sua monumental obra Em busca do tempo perdido, abria a ela novos horizontes, ainda mais ilimitados, afirmando que seus leitores seriam "leitores de si mesmos", já que seu livro era apenas o meio oferecido a eles para que pudessem ler dentro de si mesmos.

Sim, também e sobretudo na nossa sociedade da imagem, a leitura continua sendo uma operação de grande humanização: é uma resistência à ditadura da informação instantânea, é uma viagem empreendida com as palavras do outro, um caminho para edificar a própria interioridade, para aprender e afirmar a liberdade, para comer e beber a palavra, ou seja, alimentar-se! Claro, quando a barbárie avança, se mostra primeiramente como tal justamente pela hostilidade em relação à leitura, até à destruição dos livros, à fogueira das bibliotecas. Não vamos esquecer o aviso de Heinrich Heine: "Onde se queimam livros, acaba-se queimando pessoas!"
*Enzo Bianchi nasceu em Castel Boglione, Itália. É o fundador e prior da Comunidade Monástica de Bose. Formou-se em Economia na Universidade de Turim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…