Pular para o conteúdo principal

Vencer crises

Por Paulo Eduardo Mendes - Jornalista

Mãos entrelaçadas. Tensas. Dedos apertados. Medo e ansiedade além dos limites. Ansiosos todos nós de forma generalizada. Fobias. Transtornos ocasionais ou permanentes. Preocupação por tudo. Olhos contemplam o vazio. O cérebro sentindo a insegurança que nos cerca. Fobia social. Doença da alma martelando na bigorna da consciência. Precisamos de um tempo para pensar. Repensar momentos de timidez. Ir em frente na luta interna para vencer nossos medos. Transtorno de pânico. Nenhum aviso prévio para gerir atitudes.
Aflição. Impaciência para vencer crises. Todo ser humano debruçado na janela do desassossego. Lá fora o movimento de rua é intenso. Trânsito louco. Veículos serpenteando em marcha lenta. Compromisso de hora. Impossível chegar a tempo. Empenhar a palavra e perder o encontro! Triste proceder de quem anela ser pontual. Contrato de trabalho, por exemplo, sendo postergado. Aflição. Não vamos conseguir chegar na hora ajustada. Rotina do medo. Ansiosos. Triste rotina da modernidade. O nosso existir está ficando complicado. A literatura específica para nos acalmar é pródiga em aconselhamentos. Cria outro tipo de ansiedade. Passamos a ser ansiosos para ultrapassar o pânico.

A leitura de jornal, a escuta de rádio, o ver televisão começam a trazer outro tipo de ansiedade ao perceber nossa impotência para encontrar a paz sonhada. Decidimos ir ao cinema. Nas salas de projeção, os filmes estão impregnados com os enredos da violência! Difícil derrotar o inimigo oculto gerador da ansiedade. Ansiosos por boa leitura, boa diversão, boa conversa. Destroçados pela certeza dos absurdos do dia a dia de uma cidade grande. A verdade é que o medo e a ansiedade estão extrapolando os limites da normalidade. Assim, é o triste clamor dos ansiosos. Como superá-los?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…