Pular para o conteúdo principal

A saúde que vem das pedaladas

 O estímulo ao uso da bicicleta deve ser prioridade dos governos


Pedalar previne doenças cardíacas, diabetes e morte prematura
Pedalar previne doenças cardíacas, diabetes e morte prematura
Por Jason Gill*
Estudos científicos têm demonstrado, por unanimidade, que as pessoas que realizam menos atividade física são mais propensas a desenvolver problemas de saúde como doenças cardíacas e diabetes tipo 2, além de morrerem mais cedo. No entanto, cada vez há mais evidências de que os níveis de atividade física estão diminuindo.
O problema é que, quando há muitas atividades que exigem nosso tempo, muitas pessoas acham difícil dar prioridade ao exercício. Uma solução é matar dois coelhos com uma cajadada, indo para o trabalho de bicicleta ou a pé. Acabamos de concluir o estudo mais amplo até agora realizado sobre o impacto que isso tem sobre a saúde.
O trabalho foi publicado no British Medical Journal, e os resultados, especialmente com respeito ao deslocamento em bicicleta, têm implicações importantes e indicam que incentivar o maior número possível de trabalhadores a pegar a bicicleta precisa se transformar em uma prioridade máxima para os municípios e governos.
Ir para o trabalho de bicicleta ou a pé – o que às vezes é chamado de “deslocamento ativo” – não é algo muito comum no Reino Unido. Dos trabalhadores que se deslocam para o trabalho, apenas 3% usa a bicicleta e 11% vai a pé, o que representa uma das taxas mais baixas da Europa. No extremo oposto da escala, 43% dos holandeses e 30% dos dinamarqueses pedalam diariamente.
Para entender melhor o que poderíamos estar perdendo, estudamos 263.450 pessoas com uma idade média de 53 anos, assalariados ou autônomos, que nem sempre trabalham em casa. Perguntamos aos participantes se costumavam ir para o trabalho de carro, em transporte público, a pé, de bicicleta ou usando alguma combinação destes meios.
A seguir, agrupamos nossos trabalhadores viajantes em cinco categorias: não ativos (aqueles que utilizavam o carro ou o transporte público); exclusivamente caminhantes; ciclistas (incluindo alguns que também caminhavam); caminhantes de tipo misto (caminhantes e não ativos), e ciclistas de tipo misto (ciclistas e não ativos, incluindo alguns que também caminhavam).
Fizemos um acompanhamento ao longo de cinco anos, levando em conta os casos de doenças cardíacas, câncer e morte. Um aspecto importante é que fizemos correções com base em outros fatores que influenciam a saúde, como o sexo, a idade, a precariedade econômica, a etnia, o consumo de tabaco, o índice de massa corporal, outros tipos de atividade física, tempo que passavam sentados e dieta. Além disso, em nossa análise, levemos em consideração qualquer possível diferença de risco relacionados com acidentes de trânsito, enquanto que excluímos os participantes que já tiveram câncer ou doenças cardíacas.
Os resultados
No estudo, descobrimos que ir trabalhar de bicicleta estava relacionado com um risco de morte 41% inferior comparado com quando o deslocamento é feito de carro ou em transporte público
Descobrimos que, no geral, ir trabalhar de bicicleta estava relacionado com um risco de morte 41% inferior do que quando o deslocamento é feito de carro ou em transporte público. Aqueles que iam para o trabalho pedalando tiveram um risco 52% menor de morrer de doença cardíaca e um risco 40% menor de morrer de câncer. Além disso, o risco de desenvolver uma doença cardíaca foi 46% inferior, e o de desenvolver câncer, 45% menor.
Caminhar para o trabalho não estava associado com um menor risco de morrer por nenhuma dessas causas. No entanto, os caminhantes tinham um risco 27% menor de sofrer de doenças cardíacas e 36% menos de morrer como consequência delas.
Os ciclistas de modalidade mista desfrutavam de um risco 24% inferior de morte por qualquer uma das causas, 32% menos de desenvolver câncer, e 36% menos de morrer desta doença. No entanto, não tinham um risco significativamente menor de sofrer com doenças cardíacas, enquanto que os caminhantes de modalidade mista não tinham um risco menor em relação com nenhum dos efeitos para a saúde analisados.
Tanto para os ciclistas quanto para os caminhantes existia uma tendência a uma maior redução do risco entre aqueles que percorriam distâncias maiores. Além disso, aqueles que faziam parte do caminho para o trabalho de bicicleta também desfrutavam de benefícios, o que é importante pois muitas pessoas vivem muito longe do lugar onde trabalham para cobrir toda a distância pedalando.
Em relação aos caminhantes, o fato de os benefícios para a saúde serem mais limitados pode estar relacionado com a distância percorrida, já que, no Reino Unido, estes últimos se deslocam menos quilômetros em média, concretamente, pouco mais de nove por semana, em comparação com os mais de 48 dos ciclistas. Portanto, possivelmente, teriam que andar distâncias maiores para obter benefícios significativos. No entanto, também é possível que os benefícios menores da caminhada tenham a ver com o fato de que é uma atividade menos intensa.
E agora, o quê?  
Em Copenhague e Amsterdã as pessoas vão de bicicleta para o trabalhoEm Copenhague e Amsterdã as pessoas vão de bicicleta para o trabalho
Nosso trabalho amplia as evidências de estudos anteriores em vários aspectos importantes. Nossos 250 mil participantes superaram os de todos os outros estudos juntos, o que nos permitiu mostrar a relação existente entre deslocar-se para o trabalho de bicicleta ou a pé e seus efeitos para a saúde de forma mais clara do que antes.

Concretamente, os resultados acabam com a incerteza anterior no que diz respeito à relação com o câncer, bem como com os ataques cardíacos e as mortes relacionadas com eles. Da mesma forma, contamos com suficientes participantes para avaliar separadamente pela primeira vez os deslocamentos de bicicleta, a pé e na modalidade mista, o que ajudou a confirmar que pedalar é mais benéfico do que andar.
Além disso, grande parte das investigações anteriores foram realizadas em lugares como a China e os países nórdicos, onde é comum ir ao trabalho de bicicleta e há boa infraestrutura de apoio. Sabemos agora que em um país no qual o deslocamento ativo não faz parte da cultura estabelecida os mesmos benefícios são obtidos.
Também não podemos esquecer outras vantagens, como a redução do congestionamento de tráfego e as emissões dos veículos
É importante insistir que, embora tenhamos feito tudo que estava ao nosso alcance para eliminar outros fatores que pudessem influenciar o resultado, nunca é possível conseguir isso completamente. Isso significa que não podemos dizer com total certeza que o deslocamento ativo é a causa dos efeitos na saúde que medimos. Ainda assim, nossas conclusões indicam que os responsáveis políticos podem dar um grande passo em saúde pública, especialmente incentivando o deslocamento ao trabalho de bicicleta. Também não devemos esquecer outras vantagens, como a redução do congestionamento de tráfego e as emissões dos veículos
Alguns países estão muito à frente do Reino Unido no que diz respeito ao fomento do uso da bicicleta. Em Copenhague e Amsterdã, por exemplo, as pessoas vão de bicicleta, porque é a maneira mais fácil de se deslocar pela cidade.
As coisas nem sempre foram assim. As duas cidades começaram a adotar estratégias claras para melhorar a infraestrutura para bicicletas. Os meios para conseguir este objetivo incluem o aumento do número de ciclovias, criar planos urbanos de aluguel de bicicletas, criar programas subsidiados de compra e estacionamento seguro, e dar mais facilidades para levá-las no transporte público.
Para o Reino Unido e outros países que ficaram para trás, as novas descobertas indicam que estão frente a uma clara oportunidade. Se aqueles que têm a capacidade de tomar decisões forem corajosos o suficiente para enfrentar o desafio, os benefícios a longo prazo podem significar uma grande mudança.
Os benefícios da bicicleta. Veja o vídeo.

*Jason Gill, professor associado do Instituto de Ciências Médicas e Cardiovasculares da Universidade de Glasgow.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…