Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

Aula do escritor Ian McEwan encara a especulação sobre o fim dos tempos

Repleto de ironia e melancolia, 'Blues do fim dos tempos' reflete a lama na qual a humanidade se atolou


O britânico discorre sobre o apocalipse para tratar da tristeza que se abate sobre os homens
O britânico discorre sobre o apocalipse para tratar da tristeza que se abate sobre os homens (Luiz Munhoz/FP/Flickr)
Jacques Fux*
Em 2007, o renomado escritor Ian McEwan, proferiu uma aula/palestra “apocalíptica” na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Agora, em 2019, ironicamente no momento em que o mundo encara, de fato, a possibilidade do fim dos tempos, a Editora Âyiné nos presenteia com esse texto apócrifo e desconcertante.
O termo “blues” já nos oferece uma ideia do que nos espera nessa pequena obra de arte: “Blue note é uma nota cantada ou tocada com um timbre ligeiramente mais baixo do que o da escala maior, o que faz com que a nota tenha um som distintivamente triste e melancólico; a própria palavra ‘blues’, em inglês, é sinônimo de melancolia. (...) As origens do blues também estão intimamente relacionadas com a música religiosa da comunidade afro-americana, os spirituals. (...) Blue também é a cor que sinestesicamente significa tristeza na cultura norte-americana, por isso surgiu o termo let's sing our blues”.
McEwan enxerga a humanidade repleta de melancolia, abrigada por uma religiosidade sádica e sustentada por uma tristeza perene – tudo isso em virtude de uma expectativa catastrófica fundamentada/estruturada pelo Livro do Apocalipse. “O elenco ou o conteúdo do Apocalipse em suas representações contemporâneas possui todos os espalhafatos de um jogo de computador. Terremotos e incêndios, cavalos galopando e seus cavaleiros, anjos retumbando trombetas, frascos mágicos, Jezebel, um dragão vermelho e outras bestas míticas, além de uma meretriz.
Outro aspecto familiar é a potência dos números: sete selos, sete cabeças de bestas, sete velas, sete estrelas, sete lampiões, sete trombetas, sete anjos e sete frascos. Em seguida quatro cavaleiros, quatro bestas com sete cabeças, 10 chifres, 10 coroas, 24 anciões, 12 tribos com 12 mil membros e, finalmente, o que mais chama a atenção, englobando 19 séculos da mais pura bobagem, a citação: ‘Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e seu número é seiscentos e sessenta e seis’. (Ap 13:18). Para muitas mentes por aí, o número 666 está cheio de significado. A internet está apinhada de especulações sobre códigos de barras de supermercados, chips implantados, códigos numéricos no nome dos líderes mundiais.”
Apesar de catastrófico, a humanidade estaria esperando pulsionalmente por esse fim, como argumenta um testemunho citado por McEwan: “Esperávamos piamente ver Jesus Cristo e todos os anjos sagrados com ele, e que nossos suplícios e sofrimentos, junto com nossa peregrinação terrena, se encerrariam e seríamos arrebatados para ir ao encontro de nosso Senhor vindouro; por isso procuramos nosso Senhor vindouro até o badalar da meia-noite. O dia então tinha acabado e nossa decepção tornou-se uma certeza. Nossas mais sinceras esperanças e expectativas foram destruídas e uma vontade terrível de chorar nos abateu como nunca. Parecia que nem a dor da perda de amigos terrenos tinha comparação. Choramos e choramos até o amanhecer.”
Cálculos matemáticos “precisos” para o dia da destruição total fantasiam o imaginário coletivo – seja para os povos “pacíficos” ou “belicosos”, para as diferentes religiões – muçulmanos, judeus, cristãos – e até para céticos escritores, artistas. O ressurgimento do pensamento apocalíptico se dá pela polarização política, pela ascensão (retorno) do extremismo, pela vontade descontrolada de se esgotar todos os recursos que a Terra oferece, aquecendo-a de tal maneira que os esperados – e já relatados - “terremotos e incêndios, cavalos galopando e seus cavaleiros, anjos retumbando trombetas, frascos mágicos, Jezebel, um dragão vermelho e outras bestas míticas, além de uma meretriz” possam to aparecer. Será que, de fato, essas “bestas míticas” e esse “dragão vermelho” já não apareceram na figura de lideranças políticas apocalípticas e nos vales de larvas, lágrimas e lama que recentemente liquidaram tantas almas e sonhos? Será que queremos, verdadeiramente - enquanto humanos e nações - nos salvar da autodestruição, ou apenas assistir embriagados a esse espetáculo perverso e sádico de um extermínio lento e majestoso?
Vale a pena, sem dúvida, ler o Blues do fim dos tempos para apreciar um pouco mais desse inescapável evento que nos aguarda – seja na vigília, na Quimera ou apenas nas histórias e páginas de um livro escrito ainda a ser redescoberto.

BLUES DO FIM DOS TEMPOS
De Ian McEwan
Editora Âyiné
65 páginas
R$ 21,90

Dom Total

*Jacques Fux é matemático e escritor, autor de 'Meshugá: um romance sobre a loucura' (José Olympio, 2016), 'Nobel' (José Olympio, 2018), entre outros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro resgata conteúdo de cartas recebidas por João Goulart

Livro sobre as origens do povo cearense chega ao mercado

União familiar