Pular para o conteúdo principal

Devoção e culto a Nossa Senhora de Nazaré poderão se tornar patrimônio da humanidade

NAZARÉ, 14 Jan. 20 / 11:00 am (ACI).- Muito presente em países lusófonos, especialmente Brasil e Portugal, a devoção e o culto a Nossa Senhora de Nazaré poderão se tornar em breve Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.
Isso se deve ao fato de que, entre 24 e 26 de janeiro, acontecerá na cidade de Nazaré (Portugal), o Encontro Internacional das Comunidades Devotas de Nossa Senhora de Nazaré, ocasião em que será lançada a candidatura das Práticas e Manifestações do Culto de Nossa Senhora da Nazaré a Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, título a ser conferido pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).
De acordo com o site do Encontro, “o culto a Nossa Senhora de Nazaré não é apenas uma das mais antigas tradições Marianas portuguesas, também se espalhou pelo mundo de língua portuguesa, implantando-se com particular intensidade no Brasil”.
Em terras brasileiras, esta devoção se manifesta, sobretudo, no Círio de Nazaré, em Belém (PA), o qual é uma das maiores festividades católicas do mundo, que todos os anos em outubro reúne mais de 2 milhões de pessoas e já foi reconhecido em 2013 como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.
Nesse sentido, segundo informa o Regional Norte 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), uma comitiva sairá de Belém para participar do evento e expressar seu apoio à candidatura. Entre os membros desse grupo estão autoridades e representantes do governo do Pará e da Arquidiocese de Belém, como o Arcebispo Dom Alberto Taveira e o reitor da Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré em Belém, Padre Luiz Carlos Nunes Gonçalves.
Além disso, imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, a qual percorre as ruas de Belém nas procissões do Círio, também irá a Portugal para estar presente neste Encontro.
De acordo com a organização, a imagem peregrina chegará a Lisboa em 22 de janeiro, ficando em exposição até 24 no Mosteiro dos Jerônimos, onde será celebrada Missa especial na manhã deste dia, presidida pelo cônego José Manuel Ferreira e concelebrada pelos representantes eclesiásticos brasileiros. No domingo de manhã, 26 de janeiro, já no Santuário da Nazaré, será celebrada uma Missa presidida pelo Cardeal Patriarca de Lisboa, Dom Manuel Clemente.
O programa do Encontro conta ainda com um vasto leque de momentos culturais, devocionais, de debate e convívio, abertos a toda a população e que pode ser acessado no site do evento.
O culto a Nossa Senhora de Nazaré
Conforme indica levantamento realizado pelo projeto de candidatura do culto, existem mais de 200 locais e manifestações de fé à Virgem de Nazaré em todo o Brasil, especialmente no estado do Pará, que a tem como padroeiro e onde ficou conhecida principalmente como Rainha da Amazônia.
“Entre círios, festividades, capelas, ermidas, igrejas paroquiais ou santuários, são mais de 290 as referências que mapeamos até agora, cada uma delas apontando para uma comunidade local que nutre ou já nutriu devoção a Nossa Senhora da Nazaré”, explica o site do Encontro, especificando que, “embora existam algumas referências no espaço lusófono africano, como em Angola ou São Tomé e Príncipe, é realmente em Portugal e no Brasil que este fenômeno tem mais expressão”.
Além disso, conforme explicando, o Encontro pretende ainda incluir locais que “permitem traçar uma antiguidade, ainda que lendária, da Imagem da Nossa Senhora da Nazaré até aos primórdios do Cristianismo”.
A devoção a Nossa Senhora de Nazaré teve início em Portugal e, segundo consta, a imagem da Virgem teria sido esculpida pelo próprio São José, em Nazaré da Galileia. Teria passado ao longo dos séculos pela Grécia, pelo Norte de África (Hipona, atual Annaba, na Argélia) e por um mosteiro próximo de Mérida, no sul de Espanha, antes de chegar à sua morada final, no promontório da Nazaré, em Portugal.
Assim, também serão convidados para o evento representantes destas comunidades, que a seu tempo também teriam acolhido a Imagem que se julga repousar no Santuário português.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…