Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

Escrever para ficar rico

'Coachs' literários dão dicas de como ganhar dinheiro com livros como se o propósito de escrever fosse ficar milionário


Monteiro Lobato dizia que um país se faz com homens e livros
Monteiro Lobato dizia que um país se faz com homens e livros (Adolfo Félix/ Unsplash)
Ricardo Soares*
O Brasil sempre foi um país onde nunca se teve especial apreço aos escritores e muito menos aos leitores. Somos dos países que menos leem no mundo e agora, na época do mais ignorante dos nossos presidentes, o tal apreço fica ainda mais longe. Isso posto e diante dessas circunstâncias me pergunto se por aqui mudou a literatura ou mudamos eu, tu, eles, nós todos que mal ou bem passamos perto dela.
Justifico o raciocínio que abre essa crônica por conta de espantosas correspondências que recebo no meu e-mail dando conta de uma visão cada vez mais mercantilista da literatura. Receitas de “coachs” literários e quejandos que “ensinam” como ganhar dinheiro com livros, como se dar bem escrevendo em 10 ou poucas lições como se o único propósito de escrever fosse ficar milionário. Vocês poderão dizer que isso é sinal dos tempos, mas é estarrecedor.
Uma dessas “consultorias literárias” elaborou uma lista (cuja fonte não citam ou então criaram das próprias telhas) de 10 autores nacionais vivos que faturaram mais de R$ 1 milhão com seus livros e aí vejo que não entendo mais nada do riscado porque dos 10 nomes listados só conheço a metade. Sendo que desses cinco que conheço três são referências de literatura de no mínimo gosto duvidoso como os intragáveis textos infanto-juvenis do Pedro Bandeira ( sim, aquele que está reescrevendo Monteiro Lobato pelo viés politicamente correto) e a tal Thalita Rebouças, um prodígio de lugares comuns embalados em situações clichês para auto ajuda de adolescentes. 
A “milionária” lista dos consultores abre com um texto que é um primor de má redação o que nos faz perguntar: o que um autor teria a aprender com esse tipo de professor? Vejam: “Nesse artigo buscamos dar lugar a autores desconhecidos para uma boa parte das pessoas. Quem não tem muito contato com a literatura e o mercado editorial pode se surpreender. Muita gente quando pensa em muitos livros vendidos pensa em Paulo Coelho, é um clichê. E não preciso dizer que é claro que Paulo Coelho não está nessa lista. Outra característica é a idade dos autores, a maior parte é jovem, tendo 3 bem mais velhos ao final. No artigo todos faturaram ao menos 1 milhão em direitos autorais requisito do título..., no entanto outros foram muito além disso”. Vocês entenderam o raciocínio da parte que fala do clichê do Paulo Coelho ?
Mesmo assim prefiro que as pessoas estejam lendo Pedro Bandeira ou Thalita Rebouças do que não ler nada. O que me incomoda mesmo é associar literatura a um possível enriquecimento fácil. Isso é tese vigente senão consultorias como essa não vicejavam e nem estaríamos diante de listas (quaisquer delas) de mais vendidos que são o supra sumo da estultice. 
O bom e velho Monteiro Lobato (que tem a obra esculachada pelos Bandeiras da vida) dizia que um país se faz com homens e livros ou ainda que “quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê”. Eu sigo a sina de escrever não como missão ou algo semelhante. Escrevo porque preciso como diria o poeta Leminski. Só lamento não ter encontrado o mapa da mina para ganhar um pouquinho mais. Vai ver é porque sempre estive do lado errado da força.
*Ricardo Soares é escritor, diretor de tv, roteirista e jornalista. Publicou 8 livros, dirigiu 12 documentários

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro resgata conteúdo de cartas recebidas por João Goulart

Mestra da Cultura do Ceará, artesã Dona Zefinha morre no Cariri

Livro sobre as origens do povo cearense chega ao mercado