Pular para o conteúdo principal

Folhetim drummondiano

João amava Tereza... ou era a Teresa?


O que deveria chegar à uma fez tremer o celular da outra, lá nos EUA
O que deveria chegar à uma fez tremer o celular da outra, lá nos EUA (John Tuesday/Unsplash)
Pablo Pires Fernandes*
João mandou um WhatsApp para Teresa, que repassou para Raimundo, que enviou para um grupo e se espalhou feito notícia ruim. Na real, João ficou incumbido de dar a triste notícia para Tereza. Mas a Tereza com Z e a Teresa com S nem se conheciam, e o que deveria chegar à uma fez tremer o celular da outra, lá nos Estados Unidos.
As palavras eram mesmo péssimas e, diante da facilidade instantânea, da verborragia digital dos dias de hoje, não tardaram a alcançar dimensão extraordinária. Depois do baque, Teresa com S tentou se comunicar com a família, sem sucesso. Não se aguentando de ansiedade, arrumou a mala às pressas, comprou passagem para o primeiro voo e foi em desabalada carreira para o aeroporto. No trajeto, trocou mensagens de áudio com Raimundo que, incrédulo, tentava acalmar a amiga. Ele garantiu que tomaria as providências sobre o funeral.
No afã solidário com a amiga, Raimundo mandou a notícia do falecimento do pai de Teresa com S para todos os colegas de faculdade, pedindo orientação sobre os trâmites necessários para o enterro. A consternação foi geral, afinal, Teresa era querida por todos. Mas o defunto era o pai da Tereza com Z, que nem tinha recebido a notícia.
A turma da Escola de Engenharia era unida e rapidamente moveu mundos e fundos para ajudar Teresa com S. Advogados, trabalhadores de cartório e indicações de funerárias choveram no grupo de WhatsApp. No avião, Teresa com S recusou a comida sem conseguir parar de chorar enquanto Tereza com Z, calmamente, jantava um espaguete à bolonhesa preparado pelo marido e pela filha de 2 anos.
Fátima, irmã de Teresa com S, foi a primeira a notar algo de errado quando leu no Facebook um post anunciando a morte de seu próprio pai. Depois de ouvir o velho Lúcio responder às gargalhadas – “ainda estou firme e forte, filha” –, ela matou a charada: fake news.
Involuntário autor de toda a confusão, João soube do erro através do irmão de Tereza com Z, que o convidava para o velório. Tentou desfazer o engano no momento em que Teresa com S desembarcava, de olhos inchados, em solo tupiniquim. Do aeroporto e a casa dos pais, Teresa com S se emocionou ao ler as mensagens de condolências e apoio provenientes das mais variadas pessoas – todo o pessoal da faculdade, amigos de infância, gente que mal se lembrava.
Quase chegando ao destino, topou com a frase de João: “Teresa, mil desculpas, mandei para a pessoa errada. Quem morreu foi o pai de outra amiga chamada Tereza”. Primeiro, sentiu alívio, depois, indignação por João ter cometido um equívoco de tal monta e feito ela passar por tamanha aflição e sofrimento.
De fato, fato mesmo, real e concreto, foi que seu Joaquim, pai da Tereza com Z, não suportou a agonia do câncer e antecipou sua própria morte tomando café com leite, açúcar e uma dose cavalar de comprimidos. João não sabia como se desculpar, mas foi quem apresentou, no velório, Tereza com Z a Teresa com S, que fez questão de comparecer ao triste momento. 
*Pablo Pires Fernandes é jornalista. Trabalhou nas editorias de Cultura e Internacional nos jornais 'O Tempo' e 'Estado de Minas', onde foi editor do caderno Pensar. É diretor de redação do 'Dom Total'

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…