Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

História de amor

O olhar para o outro, atencioso e aberto, carrega uma admirável liberdade e a entrega inexprimível


Um negro lindo me ofereceu flores de lata e comprei logo uma dúzia num ímpeto de galanteio à moda antiga
Um negro lindo me ofereceu flores de lata e comprei logo uma dúzia num ímpeto de galanteio à moda antiga
Pablo Pires Fernandes*
Estava sentada no último banco, no fim do balcão. O bar vazio, ela conversava com meu amigo, o dono. Não notaram minha presença até que falei com uma naturalidade incomum: “Este lugar é meu”. Sorriu e retrucou que aquele banco era dela desde sempre. Puxei o do lado, pedi um chope e me sentei ali, ao lado de Luciana pela primeira vez.
Depois do primeiro beijo, do coração acelerado, as noites se encheram de ansiedade, mistura de expectativa e curiosidade, boas e temerosas ao mesmo tempo. Mas eu dormia com um sorriso no rosto como se fosse um adolescente e me deixei levar.
Numa noite sedutora, um negro lindo me ofereceu uma flor de lata e comprei logo uma dúzia num ímpeto de galanteio à moda antiga. Ele me disse, estupefato ao ver o gesto, que eu era um ótimo marido, coisa que ainda não passava em nossas mentes. Depois, ela me soltou: “Nosso buquê de casamento”, mal sabendo que previa o futuro. 
Encantamento, acho que é a palavra. Era um sentimento em ebulição e foi se transformando. Virou amor. Dois anos depois, Luciana chegou à minha casa com 32 caixas, sete malas e um cachorro. O cão me olhava em silêncio, com olhos esbugalhados e curiosos. Parecia me questionar sobre fidelidade e confiança, mas entendeu que não tinha erro. Tudo em casa.
Casa, claro, não é só a morada, é constante construção. É preciso encantamento e brilho. Ah, Luciana!, você não me deixa faltar nada disso! Os risos incontroláveis por motivos banais, a inteligência arguta, as respostas rápidas e perspicazes, o olhar de braveza e as surpresas sem fim.
Pode ser uma foto em Havana, uma fome incontrolável em Amsterdã ou em Madri, uma cerveja no boteco da Praça da Estação ou na muvuca do carnaval. O olhar para o outro, atencioso e aberto, carrega uma admirável liberdade e a entrega inexprimível.
Ela gosta de Drummond e deixa bilhetes de amor pela casa, conta piadas horríveis que me fazem morrer de rir. Compartilha comigo – e me sinto um privilegiado – sonhos, viagens, dores e angústias de qualquer procedência. Ela vê fantasmas (xapiris) e pede para fechar os armários, mesmo deixando todas as gavetas abertas. “Eles estão falando muito e não me deixam dormir”, murmura.
Até hoje me sinto um pouco avexado quando ela me tira para dançar na cozinha um xote do Luiz Gonzaga num chamego sonoro, gargalhando a falta de medo de nossa própria morte. Com meu casaco de general, admiro seus dedos cheios de anéis, seu jeito de mexer no cabelo e sim, vamos tomar aquele velho navio. Não me importa nada além de você, baby.
*Pablo Pires Fernandes é jornalista. Trabalhou nas editorias de Cultura e Internacional nos jornais 'O Tempo' e 'Estado de Minas', onde foi editor do caderno Pensar. É diretor de redação do 'Dom Total'

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro resgata conteúdo de cartas recebidas por João Goulart

Livro sobre as origens do povo cearense chega ao mercado

União familiar