Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

O beijo da mulher grisalha

Por um curto momento nossos olhares se cruzam e tenho a ligeira impressão de que são cúmplices na esperança de que dias melhores virão


Parece que a mulher grisalha de traços suaves e boca ligeiramente curvada para baixo tem todos os dentes permanentes
Parece que a mulher grisalha de traços suaves e boca ligeiramente curvada para baixo tem todos os dentes permanentes (Ravi Patel/ Unsplash)
Ricardo Soares*
Dentro de um vagão de metrô uma mulher grisalha olha para mim. Não é um olhar de flerte. É uma constatação. É verão e diante dela estou eu, um homem de cabelos grisalhos também. Por um curto momento nossos olhares se cruzam e tenho a ligeira impressão de que são cúmplices na esperança de que dias melhores virão. Ela deve ter por volta da minha idade e se nota que pegou menos aclives do que declives pela estrada. Como eu.
Parece que a mulher grisalha de traços suaves e boca ligeiramente curvada para baixo tem todos os dentes permanentes. Diferente de mim que mal conservo os sobressalentes e os escovo com muita pressa porque tenho sempre a sensação de que acordei atrasado, de que calculei mal os juros do cartão de crédito e que jamais aprendi a afiar facas.
O metrô parece andar mais lento hoje e fico tentando adivinhar a trajetória da mulher de vasta cabeleira grisalha. Professora de antropologia? Diretora de escola alternativa? Terapeuta ocupacional? Uma daquelas que por tabela gritou nos anos 70 “meu nome é Gal?”. Tudo parece vago, impreciso, mas gostaria de saber muito a história de cada fio dessa cabeleira grisalha.
De repente o metrô dá um leve tranco. Passa agora sobre um elevado, um raro trecho onde não está sob a terra. Vejo que começa a chover e percebo com estrondosa certeza o quanto essa cidade é feia, quase inabitada de sentimento. Por isso não me constranjo, levanto, vou até a mulher grisalha e lhe tasco um beijo na boca no momento em que percebo que ela chora de mansinho. Ela correspondeu àquele beijo e desceu na estação Rodoviária rumo a um destino impreciso para o qual eu não fui convidado.
*Ricardo Soares é diretor de tv, roteirista, escritor e jornalista. Publicou 8 livros e dirigiu 12 documentários

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mestra da Cultura do Ceará, artesã Dona Zefinha morre no Cariri

Livro resgata conteúdo de cartas recebidas por João Goulart

REFLETINDO SOBRE A EDUCAÇÃO