Pular para o conteúdo principal

O menino Jesus

«Et Verbum caro factum est». Deus assumiu a natureza humana ferida pelo pecado original, não em estado de perfeição natural e menos ainda elevada à ordem «praeter-natural» do Paraíso. E fê-lo porque, ainda nas piores condições possíveis, o homem continua sendo imagem sua, carente de tudo para subsistir, mas carente de Deus para ser feliz. É nesta carência que reside a sua grandeza. Mesmo no mais miserável estado físico e moral, aspiramos ao infinito, a um estado que só o Criador pode satisfazer. Nenhuma outra criatura terrena possui tal expectativa.
O Menino Jesus também precisou de tudo para se sustentar e crescer como homem. Não constam dEle doenças de infância, mas o simples facto de ser homem significa a sua necessidade de amparo materno, paterno, familiar, comunitário. Senão, não seria homem verdadeiro, pois, voltemos a repetir, assumiu a natureza humana existente, que, embora ferida pelas consequências do pecado, mantém a estrutura primordial: a de um ser social, dependente dos seus semelhantes e dedicado a eles.
Pela nossa condição histórica, somos todos doentes, isto é, necessitados de tratamento, desde o aconchego da gestação até às angústias da morte. Costumamos chamar doenças apenas às situações mais dolorosas da existência, sem repararmos na nossa geral fraqueza: mal nos falte o ar, a água ou qualquer alimento, entramos em crise de subsistência. A necessidade de tratar-nos e de ser tratados física e animicamente é a nossa condição; não uma excepção fortuita. Na realidade, nada neste mundo nos sacia, e os nossos próprios gozos padecem de impermanência.
Com o pecado original, a missão do homem – «ut operaretur», que significa imprimir no mundo material o nosso génio espiritual – passou a significar primordialmente lutar pela nossa própria existência, meio indispensável de sustento e desenvolvimento. O que não consiste somente em subsistir como animais, mas subsistir como homens, isto é, como pessoas, a quem Deus confiou a tarefa de «cultivar e guardar» o mundo. E essa missão persiste: por mais perecíveis que nos pareçam as nossas realizações, nada se perde diante de Deus, nenhum trabalho é inútil, nenhuma arte é fútil. «Omnia cooperantur in bonum»: todo o empenho positivo do homem na sua sustentação e aperfeiçoamento concorre para o bem espiritual e material do mundo, agora e na eternidade, para a glória de Deus.
Bela resposta a da Santa Irmã Bakita, já imobilizada na sua cadeira de enferma, a um devoto Cardeal que quis conhecê-la: – «Irmã Josefina, que está fazendo aqui?» – «O mesmo que o Senhor Cardeal» – «O quê?» – «A vontade de Deus». Aparentemente «inútil», o seu coração trabalhava com tanto ou mais proveito do que antes.
Passado o período natalício, em 11 de Fevereiro, na festa de Nossa Senhora de Lourdes, a Igreja leva-nos a aumentar o nosso cuidado para com os doentes. Tão importante como acompanhá-los e consolá-los, é ajudá-los a considerarem-se os mais valiosos trabalhadores do mundo, pois, além do seu grande valor para quem os ama – e todos devem ser amados -, são predilectos de Deus, reproduzindo no seu corpo e na sua alma Jesus Menino na gruta de Belém e Jesus no Horto das Oliveiras.
No Hospital, são eles, sem dúvida, os maiores trabalhadores, lutando pela vida, sem intervalos de descanso. Pois que sejam bons trabalhadores: obedientes, sem caprichos, animando os outros e ajudando-os como puderem. Sem deixarem de queixar-se quando for útil para o seu tratamento.
Neles especialmente se revê Nosso Senhor na Cruz e neles prolonga o seu trabalho redentor. O Menino Jesus, ao iniciar a nossa salvação, inerme, ao colo de sua Mãe, já conta especialmente com eles.
Fonte: Edição nº 1 | Advento – Natal – Tempo Comum | Dezembro/Janeiro 2019/2020
Autor:Hugo de Azevedo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…