Pular para o conteúdo principal

Que não nos livremos dos livros, jamais!

Fundamentar a moral na ética nos liberta do fundamentalismo
A palavra ética vem do grego ethos, originalmente tinha o sentido de “lugar em que se vive” e posteriormente passou a significar “caráter”
A palavra ética vem do grego ethos, originalmente tinha o sentido de “lugar em que se vive” e posteriormente passou a significar “caráter” (Micheile Henderson/ Unsplash)
Élio Gasda*
“Quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê” (Monteiro Lobato). O que os livros, “um amontoado… Muita coisa escrita” (Bolsonaro), nos ensinam sobre ética? A palavra ética vem do grego ethos, originalmente tinha o sentido de “lugar em que se vive” e posteriormente passou a significar “caráter”. A ética tem como objetivo explicar racionalmente o modo de ser, o comportamento moral do indivíduo e da sociedade. A moral oferece orientações para ações concretas. A ética quer argumentar como agir para conduzir a vida de uma maneira boa e justa para se conquistar a felicidade.
Moral refere-se ao conjunto de preceitos, leis, códigos de comportamentos. As teorias éticas tentam explicar este acervo da moral. A moral responde à pergunta “O que devemos fazer?” e a ética, “Por que devemos?”
A ética não se identifica com nenhum código moral, pois ela é crítica dos costumes morais. Ela tem a função de averiguar as razões que conferem sentido de se viver moralmente. A moral dogmatiza e absolutiza com seus códigos, enquanto que a ética argumenta criticamente. O argumento racional impede o fundamentalismo, já o dogmatismo da autoridade e da hipotética racionalidade é única justificativa do fundamentalismo. Argumentar racionalmente: este é o modo de proceder da ética.
Um código moral pode ser religioso, suas normas fundadas na divindade ou na autoridade religiosa. A moral comum exigível de todos não pode ser uma moral confessional oposta à existência dos tipos de moral não religiosa. Ela precisa ser simplesmente civil, isto é, independente das crenças. A moral dos princípios partilhados, típica da sociedade pluralista, permite a convivência de diferentes orientações morais.
Sócrates ensinou que a excelência humana se revela pela atitude de busca da verdade. Isso significa abandonar fundamentalismos e abrir-se ao diálogo deixando-se convencer pelo melhor argumento. Quem conhece o bem sente-se impelido a agir bem. Platão, na mesma linha, propõe uma sociedade baseada na moral. A República perfeita é constituída por governantes impelidos a agir bem, que administram a cidade com sabedoria, justiça e prudência. De um bom governante espera-se bons exemplos, bom caráter, comportamento moral.
Aristóteles se pergunta “qual é o fim último de todas as atividades humanas?” Este fim não pode ser outro que a eudaimonia. A felicidade como autorrealização é um bem perfeito que se busca por si mesmo, desejável por si mesmo, e não como meio para outro fim. A felicidade perfeita reside no conhecimento, no exercício da reflexão e compreensão da realidade, em dominar os desejos (avareza, luxo, etc.) e conseguir uma relação amável com a natureza e a sociedade.
Para Santo Tomás de Aquino, esta felicidade perfeita de contemplar a verdade se identifica com o próprio Deus. Esta verdade leva ao primeiro imperativo da ética: “Faze o bem e evite o mal”. Os imperativos ordenam incondicionalmente porque estão a serviço de um valor absoluto que são as pessoas. Fazer o bem sempre!
É tarefa da ética descobrir as formas para que este imperativo se converta em normas morais. Para Kant, uma das formas se expressa na máxima: “Aja de tal maneira que você trate a humanidade tanto em ti como em qualquer outro, sempre como um fim em si mesmo e nunca apenas como meio”. Reconhecer aos seres humanos um valor absoluto. Esse é o sentido de a pessoa não ter preço, mas dignidade, porque não podem ser trocados por algo equivalente. A ética nasce no encontro com o outro, destaca Levinas. 
Fundamentar a moral na ética nos liberta do fundamentalismo. Fundamentar é argumentar, oferecer motivos bem articulados para esclarecer porque se prefere atitudes e normas e não outros, determinados critérios morais e não outros. Assim foge-se da arbitrariedade e previne-se o fanatismo da crença cega incondicional. Caso contrário, “neste mundo, os loucos guiarão os cegos” (William Shakespeare). 
A ética quer ajudar o ser humano a fazer bom uso da sua natureza humana e da própria razão. Para o cristianismo, o ser humano é o ponto de encontro entre Deus e a ética. Para a ética, inviolável é o ser humano, não a doutrina moral. Dois Papas estão de acordo: “A ética leva a Deus que espera uma resposta comprometida (Francisco, Evangelii gaudium, 54). E, “não agir segundo a razão é contrário à natureza de Deus" (Bento XVI, discurso de Regensburg).
“Eu, do livro não me livro. E nem quero me livrar.
Se do livro eu me livro, como livre vou ficar?” (Silas Fonseca).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…