Pular para o conteúdo principal

Tribos da Amazônia entram na era digital para defender cultura e floresta

Ameaçadas pela destruição da floresta, tribos publicam vídeos nas redes sociais e usam drones para contar sua história e se unir forças para defender sua cultura


Com celulares, câmeras e drones, indígenas usam as novas mídias para mostrar sua cultura
Com celulares, câmeras e drones, indígenas usam as novas mídias para mostrar sua cultura (REUTERS/Ricardo Moraes)
Nos anos 1980, o primeiro parlamentar indígena do Brasil, o cacique xavante Juruna, circulava com um gravador para registrar conversas com outros políticos porque dizia que a palavra do homem branco não era confiável.
Na era digital, ameaçadas pela destruição de sua floresta e pela invasão da agricultura em suas terras, as tribos brasileiras estão publicando vídeos nas redes sociais e filmando com câmeras instaladas em drones para contar sua história e fortalecer sua ameaçada cultura.

Leia também:


Em uma reunião de centenas de líderes tribais amazônicos realizada nesta semana na reserva do Xingu para debater maneiras de resistir a planos do governo para os povos indígenas, cada discurso e dança ritual são gravados e compartilhados na internet.
A Mídia Índia, uma rede que se classifica como a voz do povo indígena, publica notícias e imagens no Instagram e podcasts no Spotify para ajudar a manter os 850 mil indígenas do país informados.
Erik Terena, um de seus organizadores, disse que isso se tornou uma tarefa mais urgente do que nunca desde a eleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que afirma que os povos indígenas não deveriam ser mantidos "como animais em um zoológico" e que pretende abrir reservas ao garimpo e à agricultura.
"Estamos vivendo sob um governo que usa notícias falsas e mente para prejudicar a população indígena", afirmou. "Estamos tendo que lutar contra uma nova colonização recorrendo à etnomídia para contar a verdade sobre nós", explicou Erik, membro da tribo terena.
Bolsonaro diz que seu plano para desenvolver a Amazônia tirará os povos indígenas da pobreza. Ambientalistas alertam que isso acelerará a destruição da maior floresta tropical do mundo, que é uma defesa contra a mudança climática.
A Mídia Índia começou como um canal de comunicação audiovisual para fortalecer as identidades culturais indígenas, segundo Erik.
Uma de suas postagens recentes mostrou o cacique kayapó Raoni Metuktire, amigo do roqueiro britânico Sting, durante a abertura da reunião no Xingu, na qual usava um cocar de penas de japu-preto e pedia que o governo Bolsonaro deixe as comunidades indígenas em paz.
Uma foto publicada em janeiro mostrou uma edificação em chamas após um ataque de homens armados que ameaçaram um vilarejo da tribo kaiowá no Mato Grosso do Sul, uma área que foi palco de violentas disputas de terra com agricultores nos últimos anos.
Documentando o evento, o diretor e fotógrafo Kamikia Kisêdjê disse que vídeos e fotografias digitais se tornaram uma ferramenta vital para transmitir a voz das tribos amazônicas, que estão perdendo suas terras ancestrais e seus lares florestais.
Indígenas e seringueiros contra Bolsonaro
Tribos indígenas e seringueiros da Amazônia uniram forças, na última quarta-feira (15), para se opor a medidas do governo do presidente Jair Bolsonaro que afirmam estar destruindo a floresta da qual dependem para viver.
Cerca de 450 membros de 47 tribos se reuniram pelo segundo dia para debater como resistir às medidas de Bolsonaro para enfraquecer agências governamentais encarregadas de proteger o meio ambiente e o direito à posse de terras ancestrais.
Bolsonaro alega que as tribos têm terras demais e quer abrir as reservas indígenas à mineração e à agricultura para desenvolver a Amazônia e tirar os povos indígenas da pobreza.
O chefe kayapó Raoni Metuktire, que convocou a reunião em seu vilarejo junto ao Rio Xingu, pediu ao Congresso que barre as iniciativas do presidente.
"Estamos aqui para defender nossa terra e dizer (a Bolsonaro) que pare de falar mal de nós", disse Raoni, que se tornou uma referência global por sua campanha ambiental nos anos 1980 em companhia do músico Sting. O líder indígena disse que jamais aceitaria a mineração em suas terras ancestrais.
Entre os presentes na reunião estava Angela Mendes, filha do seringueiro, líder sindical e ambientalista Chico Mendes, que foi assassinado em 1988 devido aos seus esforços para proteger a floresta tropical.
"Unidos, podemos resistir. Eles têm o poder do Estado, mas nós temos a força das águas, das flores e da terra ancestral", disse ela em uma coletiva de imprensa.
A existência de comunidades extrativistas não indígenas que vivem da extração de látex e da venda de frutas da floresta está sendo ameaçada pelo desmatamento, alertou.
Mendes fez uma aliança com Sonia Guajajara, chefe da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, a maior organização de tribos do país.
"Este é um momento muito grave de nossa história. Parece um cenário de guerra", disse Guajajara, acusando Bolsonaro de atender aos interesses do poderoso agronegócio brasileiro, que está avançando sobre a região amazônica.
O aumento da violência contra os 850 mil povos indígenas do Brasil, resultante das disputas de terras com agricultores, do corte de árvores e da mineração em reservas indígenas, ameaça o futuro das tribos, argumentou.
Bolsonaro prometeu integrar os povos indígenas à economia e à sociedade, uma assimilação que Guajajara disse equivaler à extinção de suas culturas e linguagens.
A Fundação Nacional do Índio (Funai), controlada por uma autoridade policial escolhida por Bolsonaro, informou que a reunião no Xingu era um "evento totalmente particular" que não apoiaria por não estar "alinhada" com a política do governo.

Reuters

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…