Pular para o conteúdo principal

A literatura de 1984 e os reality shows

Sendo considerada uma das distopias mais importantes da literatura mundial, “1984” de George Orwell não se limita apenas ao mundo dos livros, mas também estende sua história pelo mundo real. Pensando nisso, nós do QG elaboramos uma matéria sobre “1984” e os reality shows! Confira:  
 “1984” se trata de uma distopia ambientada no mundo fictício de Oceania, onde a sociedade é governada de maneira totalitária pelo “Grande Irmão”, uma figura que sintetiza seu poder através de câmeras de vigilância. Estas câmeras observam os cidadãos de Oceania 24 horas por dia, até mesmo dentro de suas casas, característica que converge diretamente à teoria do Panóptico, proposta por Foucault, que fala do poder por meio da vigilância total do homem.  
1984
Blog QG do Enem

1984

Nesse sentido, a narrativa da obra traz como personagem principal o funcionário público Winston, que trabalha no “Ministério da Verdade”, um órgão responsável por “mudar” o passado. Isso significa que Winston trabalha eliminando qualquer prova de que o Grande Irmão possa estar errado, seja na imprensa, seja em livros ou qualquer outro lugar. Desse modo, se o Grande Irmão afirma que hoje o preço da carne é x e do arroz é y, e amanhã o preço de ambos já são z e w, Winston adultera os documentos para provar que o preço da carne e do arroz sempre foram z e w. Assim, o funcionário público começa a se questionar se o trabalho que ele está exercendo é realmente correto ou não, desencadeando dessa forma, uma série de acontecimentos.  
Mas afinal o que tudo isso tem a ver com reality shows?  
Praticamente todos nós conhecemos pelo menos um reality show, e todos nós sabemos basicamente a dinâmica que rola nesses programas né? Talvez o programa mais famoso desse gênero, no Brasil, seja o BBB (Big Brother Brasil), que além de se tratar de uma casa com um grupo de desconhecidos sendo vigiados 24 horas por dia, ainda recebe o mesmo nome do governador totalitário de “1984”. Nesse sentido, muitos outros realities foram se popularizando na mídia, nos fazendo refletir novamente a respeito da literatura. Na obra de Orwell, a super vigilância faz com que as pessoas percam suas identidades e comecem a se comportar de forma mecânica e não natural, da mesma forma que muitos participantes agem nesses programas. Isso porque é notável que diversos comportamentos são condenados ou aplaudidos pelo público, que também detém o poder de definir quem merecer ser o vitorioso. Assim, tornando-se necessário cada vez mais se enquadrar em um determinado padrão comportamental.  
Além disso, vale ressaltar que o confinamento também faz com que os participantes não tenham noção do que verdadeiramente se passa no mundo, mas quem está assistindo sim. Então por que concentrar toda sua atenção a programas que nos vigiam 24 horas por dia? Talvez uma explicação para isto esteja no conceito sociológico de sociedade do espetáculo, já que somos expostos cotidianamente a conteúdos midiáticos que buscam a falsificação da vida comum, e consequentemente a alienação.  
Por fim, é importante lembrar que cada um consome produtos midiáticos que considera interessante, e que reality shows não são monstros da mídia, mas sim programas que são passíveis de muitas reflexões. O importante é ter equilíbrio!  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…