Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

JUIZ DE GARANTIAS

A Lei 13.964 de 24.12.2019, mal entrou em vigor e já é objeto de polêmica, de ações de inconstitucionalidade, de decisões judiciais suspendendo sua eficácia, primeiramente por 180 dias; depois, por prazo indeterminado. Fora isso, chovem opiniões contra e a favor da novel legislação, em especial, da nova figura por ela criada: o juiz de garantias.
A ideia de um juiz de garantias é bastante interessante e existe em várias legislações dos países ditos de Primeiro Mundo. A figura do juiz de garantias, como o próprio nome já diz, tem por objetivo assegurar que uma investigação criminal subsista em franco respeito ao princípio da legalidade e a salvaguarda dos direitos individuais. Busca-se, pois, impedir a ilegalidade na condução de uma investigação criminal e, também, a violação de direitos e garantias do investigado.
Para tanto, caberá ao juiz de garantias adotar todas as providências pertinentes, esgotando sua atuação quando do recebimento da denúncia ou da queixa. Depois, disso, entra a figura do juiz de instrução e julgamento, responsável pela condução do processo até a prolação da sentença.
O juiz das garantias não poderá funcionar no processo após o recebimento da denúncia ou da queixa, tampouco o juiz da instrução e julgamento poderá oficiar na fase de investigação.
Diz a lei que as normas de organização judiciária designarão o juiz de garantias e, em comarcas com apenas um magistrado, haverá um rodízio.
A Lei 13.964/2019 faz inúmeras inovações no Código Penal e de Processo Penal, bem como na área de atuação do Ministério Público.
Aos críticos ou aos defensores, creio que um ponto é pacífico: a operacionalização imediata da figura do juiz de garantias em face do atual sistema judicial existente, na atual organização judiciária brasileira, é algo inviável!
A implementação da figura do juiz de garantias exige uma alteração nas normas de organização judiciária da União, Estados e Distrito Federal, porque implica não somente em mudanças estruturais, mas também administrativa e elevados custos. E vamos combinar, isso não se faz da noite para o dia! Daí a necessidade do bom senso do legislador em estabelecer um período razoável para a vacatio legis.
Como faltou bom senso ao legislador, coube ao julgador fixar um prazo maior – agora indeterminado – para a implementação da lei, em alguns aspectos que demandam tempo, a exemplo do juiz de garantias.
Bom senso! Qualidade em falta nos gabinetes de Brasília, onde o mundo real não é visto!
Ah, o mundo real!
Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro resgata conteúdo de cartas recebidas por João Goulart

Livro sobre as origens do povo cearense chega ao mercado

União familiar