Pular para o conteúdo principal

Ode à poesia

é o que me salva e me retira da selva selvagem cotidiana e me leva/(e)leva para outras dimensões'
(para)doxo/a da poesia é ser episteme do indizível feito palavra
(para)doxo/a da poesia é ser episteme do indizível feito palavra (Unsplash)
eleonora santa rosa*
em tempos ferozes e aterradores, marcados pela ode ao cinismo, à hipocrisia, à violência, à injustiça, à discriminação, à supressão dos direitos básicos dos cidadãos, à promoção da degradação humana, o meu antídoto pessoal é a poesia, a poesia, a poesia!
é o que me salva e me retira da selva selvagem cotidiana e me leva/(e)leva para outras dimensões, nada ingênuas ou alienadas, antes pelo contrário, lúcidas e imantadas de outros valores, entendimentos, discernimentos, apaziguamentos e esperanças renovadas.
lugar da consciência crítica, da cabeça fria, do coração aceso, da renovação do espírito. espaço de salvaguarda de atos mesquinhos e invejosos, de libertação de jugos e perseguições.
haroldo de campos escreveu um dos mais fortes e intensos poemas em sua defesa. texto predileto, lido e relido inúmeras vezes, em tempos diversos da minha vida, do qual transcrevo alguns fragmentos:

os apparátchiki te detestam
poesia
prima pobre
.....
poesia
fêmea contraditória
te detestam
multifária
mais putifária que a mulher de
putifar
mais ofélia
que hímen de donzela
na ante-sala da loucura de hamlet
poesia
que se desvia da norma
e não se encarna na história
divisionária rebelionária visionária
velada  /  revelada
fazendo strip-tease para seus próprios (duchamp)
celibatários
violência organizada contra a língua
(a míngua)
cotidiana
os apparátchiki te detestam
poesia
porque tua propriedade é a forma
(como diria marx)
e porque não distingues
o dançarino da dança
nem dás a césar o que é de césar
/ não lhe dás a mínima (catulo):
sais com um poema pornô
quando ele pede um hino
....
dizem que estás à direita
mas marx (le jeune)
leitor de homero dante goethe
enamorado da gretchen do fausto
sabia que teu lugar é à esquerda
do louco lugar alienado
do coração
.....
poesia
te detestam
materialista idealista ista
vão te negar pão e água
(para os inimigos: porrada!)
- és a inimiga
poesia
.....
te detestam
lumpenproletária
voluptuária
vigária
elitista piranha do lixo
porque não tens mensagem
e teu conteúdo é tua forma
e porque és feita de palavras
e não sabes contar nenhuma estória
e por isso és poesia
como cage dizia
ou como
há pouco
augusto
o augusto:
que a flor flore
o colibri colibrisa
e a poesia poesia

Poema Ode (explícita) em defesa da poesia no dia de São Lukács (1980)
Haroldo de Campos - Educação dos cinco sentidos – 1985
*Eleonora Santa Rosa é ex-secretária de estado de Cultura de MG e ex-diretora executiva do Museu de Arte do Rio MAR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…