Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

Ode à poesia

é o que me salva e me retira da selva selvagem cotidiana e me leva/(e)leva para outras dimensões'
(para)doxo/a da poesia é ser episteme do indizível feito palavra
(para)doxo/a da poesia é ser episteme do indizível feito palavra (Unsplash)
eleonora santa rosa*
em tempos ferozes e aterradores, marcados pela ode ao cinismo, à hipocrisia, à violência, à injustiça, à discriminação, à supressão dos direitos básicos dos cidadãos, à promoção da degradação humana, o meu antídoto pessoal é a poesia, a poesia, a poesia!
é o que me salva e me retira da selva selvagem cotidiana e me leva/(e)leva para outras dimensões, nada ingênuas ou alienadas, antes pelo contrário, lúcidas e imantadas de outros valores, entendimentos, discernimentos, apaziguamentos e esperanças renovadas.
lugar da consciência crítica, da cabeça fria, do coração aceso, da renovação do espírito. espaço de salvaguarda de atos mesquinhos e invejosos, de libertação de jugos e perseguições.
haroldo de campos escreveu um dos mais fortes e intensos poemas em sua defesa. texto predileto, lido e relido inúmeras vezes, em tempos diversos da minha vida, do qual transcrevo alguns fragmentos:

os apparátchiki te detestam
poesia
prima pobre
.....
poesia
fêmea contraditória
te detestam
multifária
mais putifária que a mulher de
putifar
mais ofélia
que hímen de donzela
na ante-sala da loucura de hamlet
poesia
que se desvia da norma
e não se encarna na história
divisionária rebelionária visionária
velada  /  revelada
fazendo strip-tease para seus próprios (duchamp)
celibatários
violência organizada contra a língua
(a míngua)
cotidiana
os apparátchiki te detestam
poesia
porque tua propriedade é a forma
(como diria marx)
e porque não distingues
o dançarino da dança
nem dás a césar o que é de césar
/ não lhe dás a mínima (catulo):
sais com um poema pornô
quando ele pede um hino
....
dizem que estás à direita
mas marx (le jeune)
leitor de homero dante goethe
enamorado da gretchen do fausto
sabia que teu lugar é à esquerda
do louco lugar alienado
do coração
.....
poesia
te detestam
materialista idealista ista
vão te negar pão e água
(para os inimigos: porrada!)
- és a inimiga
poesia
.....
te detestam
lumpenproletária
voluptuária
vigária
elitista piranha do lixo
porque não tens mensagem
e teu conteúdo é tua forma
e porque és feita de palavras
e não sabes contar nenhuma estória
e por isso és poesia
como cage dizia
ou como
há pouco
augusto
o augusto:
que a flor flore
o colibri colibrisa
e a poesia poesia

Poema Ode (explícita) em defesa da poesia no dia de São Lukács (1980)
Haroldo de Campos - Educação dos cinco sentidos – 1985
*Eleonora Santa Rosa é ex-secretária de estado de Cultura de MG e ex-diretora executiva do Museu de Arte do Rio MAR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro resgata conteúdo de cartas recebidas por João Goulart

Livro sobre as origens do povo cearense chega ao mercado

União familiar