Pular para o conteúdo principal

Por que mentimos para nós mesmos?

Conheça os 7 danos do autoengano

Quem é prejudicado pelas mentiras? Bem, é claro que Deus se ofende, como pode ser comprovado no mandamento ” não prestar falso testemunho” (Êxodo 20,16).Também está claro que o próximo é prejudicado pelas mentiras, como eloquentemente expresso pelo ensaísta Michel de Montaigne:
“Mentir é realmente um vício maldito. Somos homens, e só temos relações entre si pela fala. Se reconhecermos o horror e a gravidade de uma mentira, deveríamos puni-la mais justificadamente com fogo do que qualquer outro crime.”
Uma vítima menos frequente da mentira é a nossa própria personalidade. Porém, Dostoiévski, em “Os irmãos Karamázov” faz um relato acerca do mal que faremos à nossa alma, caso adquiramos o hábito de mentir para nós mesmos:
“O homem que mente para si mesmo e ouve sua própria mentira chega a tal ponto que ele não consegue distinguir a verdade dentro dele ou ao seu redor, e, assim perde todo o respeito por si e pelos outros. E, sem respeito, ele deixa de amar para se ocupar e se distrair. Sem amor, abre caminho para paixões e prazeres grosseiros e afunda na bestialidade em seus vícios (…). O homem que mente para si mesmo pode ser mais facilmente ofendido do que qualquer um. Você sabe que, às vezes, é muito agradável se ofender, não é? Um homem pode saber que ninguém o insultou, mas que ele inventou o insulto para si mesmo, mentiu e exagerou para torná-lo pitoresco (…), mas será o primeiro a se ofender, e se deleitará com seu ressentimento até sentir um grande prazer nisso, e assim passar à vingança genuína.”
Esta passagem é, na verdade, uma descrição de uma cadeia de eventos que é forjada (sem trocadilhos) quando alguém costuma mentir para si mesmo:
1. A verdade não pode ser encontrada;
2. Na verdade ausente, a bondade não pode ser encontrada;
3. Na bondade ausente, não pode haver amor;
4. Com o amor ausente, o coração se transforma em vícios egoístas;
5. Corrompido pelo vício, não pode haver empatia;
6. Na falta de empatia, apenas as emoções de despeito e ódio permanecem;
7. A malícia do rancor e do ódio faz com que alguém diminua e destrua outros.
Essa lógica é, acredito, a lógica do inferno. Os demônios têm um desejo sem fim, uma insatisfação sem fim, o que gera raiva e malícia sem fim. A Arte e a Literatura, bem como a História confirmam repetidas vezes esse padrão de aniquilação que explode quando alguém decide mentir para si mesmo.
Então, por que fazemos isso? Por que iniciamos um processo que evacua o amor de nossas vidas e da vida de outras pessoas? É claro que isso não é racional. Se fosse simplesmente uma questão de razão, isso poderia ser explicado apenas uma vez: “Não minta para si mesmo! Aqui está o porquê …” Infelizmente, sabemos que não funciona dessa maneira. Por que não?
Não funciona dessa maneira porque não somos inteiramente racionais – quero dizer que existem elementos não racionais na natureza humana. Temos coração, emoção, apetite, desejo. Se partirmos para o curso destrutivo de mentir para nós mesmos, isso indica que não cometemos simplesmente um erro (como adicionar incorretamente uma coluna de números).
O problema não é tanto uma questão de razão ou de coração. Em outras palavras, mentir para nós mesmos é um ato de idolatria – amamos algo mais do que amamos o Deus vivo, que é toda verdade, toda bondade, toda beleza, todo amor. Sim, precisamos conhecer a verdade – também precisamos amar a verdade. Amar a verdade nos levará a organizar nossa vida para ficarmos em harmonia com o amor, com o que é verdadeiro, bom e bonito.
Essa mudança de coração não é algo que podemos conseguir por nós mesmos. Temos que invocar o poder e a misericórdia do Deus justo, como vemos no Salmo 50:
“Lavai-me totalmente de minha falta, e purificai-me de meu pecado. Eu reconheço a minha iniquidade, diante de mim está sempre o meu pecado. Só contra vós pequei, o que é mau fiz diante de vós. Vossa sentença assim se manifesta justa, e reto o vosso julgamento.”

Vamos admitir nossa culpa, nossa necessidade e nossa incompletude. Vamos nos alegrar por haver misericórdia oferecida àqueles que se arrependem. E vamos todos confessar fiel e frequentemente!
Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…