Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

"Efatá”

“Efatá” palavra do aramaico, significa “Abra-se” em português. Segundo o Evangelho de Marcos (Mc 7, 34), foi uma palavra usada carinhosamente por Jesus para curar um surdo- mudo. As pessoas presentes ficaram admiradas e diziam: “Tudo o que faz, Ele faz bem” Mc (7,37). 
A fé do homem foi fundamental para sua cura. Por outro lado, nestes dias difíceis de pandemia da Covid-19 por que passa a humanidade é importante ter fé. Acreditamos ser o filósofo e o poeta figuras bastante parecidas, pois ambos buscam entender as inquietações da vida: o ser e o não ser, a esperança e a desesperança, o certo e o errado, a gratidão e a ingratidão, o começo e o fim, etc. Precisamos abrir os nossos corações em busca da paz, assim como do bem e não do mal. 
O amor é fundamental e o ódio é cruel. Tentemos, com fé em Deus e nas pessoas, mediante a poesia, superar o que estamos sofrendo no momento. Dessa forma, escrevemos dois poemas prosaicos para análise e crítica do leitor. 1. “Ilusão”. Tudo Passará: a vida terrestre, a glória, a decepção, a paixão, o ódio e o orgulho, a derrota e a preocupação, o poder e a riqueza, a dor e a satisfação, a tristeza e a alegria, o desespero, a inveja e a calúnia; enfim, qualquer manifestação temporal. Tudo é ilusão. Só não passará a verdade divina, pois nos levará à vida eterna. 2. “Sonhar para Viver”. Sonhando talvez encontre: momentos de alegria, o tempo perdido, forças para superar a dor, verdadeiros amigos, a fé, desejo de amar, reconhecimento dos erros, distância da melancolia, a sinceridade, a esperança, corações que ouvem, o carinho da amada, a verdade, o perfume do bem, generosidade, valores vindo d'alma, as veredas, paz. 
Enfim, a razão de viver. O que devemos fazer, meu Deus, para que existam muitas flores nos jardins de nossos corações? Ademais, a vida é muito curta para gastarmos com injustiças, falsidade e inveja.

Gonzaga Mota
Professor aposentado da UFC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mazagão: terra árida e abençoada

Desabafo da Língua Portuguesa

Dalai Lama está com raiva