Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

Palavras têm poder

Uma simples palavra tem o poder de alegrar alguém que sofre; de fazer sofrer alguém alegre; de alimentar e destruir sonhos; de trazer luz à vida ou de leva-la às sombras; de deflagrar a guerra e anunciar a paz.
O fato é que nós somos a soma de nossas palavras, gestos e ações, a refletirem nossa essência. Por isso, palavras devem ser medidas, principalmente em momentos de raiva, porque elas podem ser nefastas; delas poderemos nos arrepender e não haverá mais como voltar e apagar o que foi dito. Muitas vezes, um pedido de desculpas ou de perdão jamais será suficiente para esquecer o que foi dito, porque palavras são como navalhas afiadas, que cortam a carne, que violentam a alma.
Ao analisar a expressão: “E daí?”, em qualquer circunstância que for utilizada, sempre indicará desinteresse, desprezo, algo que não lhe diz respeito, que não lhe importa...
Portanto, a expressão: “E daí?” Nunca, jamais, em qualquer situação, significará solidariedade, afeição, empatia, amor ao próximo, senso de humanidade, carinho, generosidade, sensibilidade, misericórdia, esperança...
Quando o chefe de uma Nação, ao ser indagado sobre o aumento do número de mortes pela Covid 19, no país que dirige, pelo qual é responsável, responde com um: “E daí?” Nada mais precisa ser dito, pois tal expressão se basta.
E quanto mais se tentar justificar o injustificável, pior fica.
O Brasil e o mundo enfrentam uma pandemia em que todos estão preocupados com os efeitos imediatos e mediatos da Covid19. Milhares de pessoas infectadas. Milhares de mortos, muitos dos quais enterrados em covas coletivas, sem que a família possa velar ou se despedir. Sistemas de saúde sobrecarregados, profissionais da saúde e de outras atividades essenciais sob intenso estresse...
“E daí? O que eu tenho a ver com isso?”
Cada um de nós tem tudo a ver com isso. Porque a dor e o sofrimento do outro devem nos sensibilizar. Porque precisamos nos importar com o próximo. Porque fazemos parte de um todo, de algo muito maior, em que as palavras e as ações de cada um refletem no outro. Porque nós ou aqueles a quem amamos podem ser contaminados e morrer. E quando alguém diz “E daí?”, nega tudo isso.

Que tal substituir o “E daí? O que eu tenho a ver com isso?” Por um: “E então, o que podemos fazer para ajudar a resolver isso?” Decerto, ficaria bem melhor.
É somente isso que precisamos ouvir.
E quanto aos milagres? Que o Deus todo-poderoso, em sua infinita bondade, tenha piedade e misericórdia de nós.
Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro resgata conteúdo de cartas recebidas por João Goulart

Livro sobre as origens do povo cearense chega ao mercado

União familiar