Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

Em busca do tesouro

Padre Geovane Saraiva*
Quem encontra o tesouro apressa-se em vender tudo o que possui, pela conquista ou para adquiri-lo. Conquistá-lo consiste na relevância de ficar muito perto do sonho do Reino de Deus, pelo Evangelho, pelo esforço da mensagem cristã, na graça e na amizade com Deus. É, na verdade, um tesouro muito bem escondido e oculto, mas presente no mundo, e muitos o têm como um valor inigualável. Outros, tendo-o achado, não o valorizam e optam mesmo é pelo reino terreno. Outros, ainda, encontram enorme dificuldade e contam com forças insuficientes na intenção de descobri-lo.

O gozo da vida, o absoluto dos bens materiais e a satisfação da vida terrena no mundo da diversidade, como o nosso atual, falam mais alto. Aqui não se prescinde de um coração grande, afável e dócil, na mesma atitude do Rei Salomão, compreendendo e fazenda a diferença entre o bem e o mal (cf. 1Rs 3, 9), tendo, dentro de uma visão divina, o que é eterno e o que é transitório, fugaz ou efêmero, entre o que é aparente e o que é essencial, ou fundamental, na radical tomada de decisão: “vender todos os seus bens”, na ânsia do tesouro.

Veja, estimado leitor e estimada leitora, que Jesus não exige um pouco, nem relativiza, oferecendo só a metade. Na investida do verdadeiro, incontestável e irrefutável Reino, Jesus de Nazaré pede tudo, dando-nos também, em contrapartida, não pouco, prometendo-nos na sua compassiva misericórdia tudo, o prêmio da vida, na contemplativa comunhão com Deus. Saibamos, pois, insistentemente, nunca perder de vista a vontade divina de abraçar as realidades que transcendem e que são eternas: o tesouro.

Guardemos as palavras de São Bernardo de Claraval: “Ó sabedoria eterna, que vos estendeis de uma a outra extremidade da terra, para governar com força todas as coisas, dirigis nossas ações segundo as exigências de vossa vontade, a fim de que possa cada um de nós, sem temor, gloriar-nos em vós”. Conduzidos por vós, ó sabedoria encarnada do Pai, que possamos usar, de tal modo, os bens que passam, mas no sentido de abraçar os que não passam. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso, Blogueiro, Escritor e integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza (AMLEF).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro resgata conteúdo de cartas recebidas por João Goulart

Mestra da Cultura do Ceará, artesã Dona Zefinha morre no Cariri

Livro sobre as origens do povo cearense chega ao mercado